Guto Ambar

“Minha paixão pela fotografia me trouxe a oportunidade de revelar detalhes singelos do universo equino, das corporações militares e do cotidiano de todos nós”. 

Guto Ambar descobriu ainda cedo sua aptidão pelas produções artísticas e gosto pela estética.  Sua intenção inicial era se formar em arquitetura e dar vazão ao seu espirito criativo, mas acabou decidindo entrar na Polícia Militar do Estado de São Paulo e seguir a carreira de seu pai, Cel Ambar.

Optou pelo destacamento de policia montada, a Cavalaria, onde dedicou 20 anos dos mais de 30 anos já trabalhados na instituição.

Essa aproximação com o universo equino, com as apresentações da corporação e das competições, o tornou um exímio cavaleiro e trouxe a oportunidade de conhecer o animal, seu temperamento e comportamento, como poucos.

Com um olhar refinado e um talento natural para a arte fotográfica, Guto passou a registrar as nuanças da relação homem-cavalo e editá-las em livros de fine-art.

Já no seu primeiro livro, “Centaurus Dressage”, editado pela Km Cultural, recebeu, em prefácio escrito por J.R.Duran, um grande elogio a ser comparado ao pintor Caravaggio em função do contraste de luz e sombra de suas imagens.

A repercussão pela obra, animou o fotografo a seguir carreira e desenvolver um projeto ainda mais ambicioso, o “Work and Art”, que consiste em registrar de forma artística e singular as rotinas de trabalhadores brasileiros em diferentes segmentos da sociedade.

Guto Ambar

“Minha paixão pela fotografia me trouxe a oportunidade de revelar detalhes singelos do universo equino, das corporações militares e do cotidiano de todos nós”. 

Guto Ambar descobriu ainda cedo sua aptidão pelas produções artísticas e gosto pela estética.  Sua intenção inicial era se formar em arquitetura e dar vazão ao seu espirito criativo, mas acabou decidindo entrar na Polícia Militar do Estado de São Paulo e seguir a carreira de seu pai, Cel Ambar.

Optou pelo destacamento de policia montada, a Cavalaria, onde dedicou 20 anos dos mais de 30 anos já trabalhados na instituição.

Essa aproximação com o universo equino, com as apresentações da corporação e das competições, o tornou um exímio cavaleiro e trouxe a oportunidade de conhecer o animal, seu temperamento e comportamento, como poucos.

Com um olhar refinado e um talento natural para a arte fotográfica, Guto passou a registrar as nuanças da relação homem-cavalo e editá-las em livros de fine-art.

Já no seu primeiro livro, “Centaurus Dressage”, editado pela Km Cultural, recebeu, em prefácio escrito por J.R.Duran, um grande elogio a ser comparado ao pintor Caravaggio em função do contraste de luz e sombra de suas imagens.

A repercussão pela obra, animou o fotografo a seguir carreira e desenvolver um projeto ainda mais ambicioso, o “Work and Art”, que consiste em registrar de forma artística e singular as rotinas de trabalhadores brasileiros em diferentes segmentos da sociedade.